pequena nota

Pequena nota | “CARCAÇA” LIVRO DO MÊS DE SETEMBRO NA OEP

por Heyk Pimenta

carcaca_capa
Carcaça é o livro mais recente do maranhense Josoaldo Lima Rêgo, que também publicou Variações do mar, Máquina de filmar e Paisagens possíveis (todos pela 7Letras). Geógrafo e poeta, o autor articula esses dois universos, pensando espaço e poema com urgência e labor.

Na contramão do poema prosaico, narrativo, longo e de imagens cotidianas que tem aparecido nas resenhas, nas prateleiras, nas festas e nos prêmios, Josoaldo consegue nos mostrar a força do verso, apostando na precisão, no pouco, na secura da poesia.
Acompanhados de silêncios curtos, duros, certos poemas se parecem parte de uma conversa que não nos foi endereçada, que pegamos pelo meio, interna, íntima, que nos deixa apenas sua densidade, a apreensividade que a transporta. (mais…)

PEQUENA NOTA | A MORTE A MORTE E A MORTE DE SYLVIA PLATH

por Rafael Zacca

A morte de poetas. Vão cedo. As biografias são apenas a pá que encerra o trabalho iniciado pelas mitologias do mercado. Não morrem em acidentes, suicídios, não morrem com doenças, assassinatos, nem de morte natural. A morte vem cedo, aniquilando a força de linguagem e a linguagem de força que produziram com a época, em favor de sua imagem como estrela, mártir ou maldição.

MTE4MDAzNDEwNjU4NzU2MTEw

Sylvia Plath anunciou por algum tempo (mais…)

NOTA DOMINICAL | Diferença e tempestade: Stela do Patrocínio e Zbigniew Libera

por Ana Carolina Assis

Mês passado me deparei com o LEGO Concentration Camp: em 1996, o artista polonês Zbigniew Libera construiu uma maquete de um campo de concentração, nos mínimos detalhes, todo feito de LEGO. A empresa doou as peças a seu pedido e depois afirmou desconhecer o objetivo do projeto. Zbigniew afirma ter se guiado pelo slogan da marca “Make your world possible”.

Libera, Lego Concentration Camp

LEGO Concentration Camp |  Zbigniew Libera

(mais…)

NOTA DOMINICAL | Marimbondo sem ferrão presta pra nada? | Sobre “A vida dos poetas” de André Chenet

por Heyk Pimenta

Estou com uma toalha verde na cabeça. Era da minha ex. Coisas que herdamos. Há anos uma hóspede portuguesa resolveu descolorir alguma coisa e manchou a toalha junto. Um círculo amarelado numa das pontas. Há uma semana minha mãe veio nos visitar. Usou a mesma toalha, que já é bem mais fina.

No sábado estava no Pedro II, onde dou aula. Num intervalo da reunião de pais, li uma tradução que o Leo Gonçalves fez de “A vida dos poetas (improviso)”, um poema do André Chenet. Foi a Modo de Usar que publicou.

O poema é uma espécie de etnografia em torno dos poetas. Começa e termina dizendo que poesia não traz felicidade, sim, é desses poemas que queremos desdobrar e sentimos que a melhor forma de falar sobre ele é colando o maldito aqui dentro desse texto. http://revistamododeusar.blogspot.com.br/2016/07/andre-chenet.html. Pronto. Colado.

(mais…)

NOTA DOMINICAL | A CANÇÃO: NOTA SOBRE “A MULHER DO FIM DO MUNDO”, DE ELZA SOARES

por Vinicius Melo

 

Em 1º de outubro de 2015, Elza Soares lançou o álbum A mulher do fim do mundo [1]. Com canções assinadas por Alice Coutinho, Romulo Fróes, Douglas Germano, Kiko Dinucci, Celson Sim, Rodrigo Campos, Cacá Machado, Marcel Cabral, Clima, Alberto Tassinari, todas as canções são dela, Elza. Em 8 de dezembro de 1957, Billie Holiday foi ao ar pela CBS e compôs “Fine and mellow” [2]. Recebeu alguns músicos (era a única mulher na gravação) e compôs “Fine and mellow“. Quem assina este texto é homem e branco. A mulher negra morre muitas vezes.

(mais…)

NOTA DOMINICAL | A REEDUCAÇÃO EM NÓS DA ATITUDE INFANTIL: UMA NOTA DE CRIANÇA SOBRE NATHALIE QUINTANE

por Rafael Zacca

Começo [autobiografia] (2004, 7Letras e Cosac & Naify, trad. de Paula Glenadel), de Nathalie Quintane, é uma viagem pedagógica. Sua escritura se insere no começo dos caminhos e das sensações: ao perfazer sua autobiografia (pois não se trata, efetivamente, de nenhuma “narrativa”), a escritora nos convida a um retorno incessante. Esse retorno tem pelo menos três faces: o da sensibilidade, o da estrutura e o da escritura.

As feituras do absurdo que abrem o livro sob o título “Começo” são significativas a propósito desse retorno à sensibilidade. Faz-se um “Ele” que tem um buraco na bochecha, uma espécie de segunda boca que “é preciso com o dedo levantar a pele enquanto a outra mão avança a colher; uma vez a quantidade despejada, o dedo descansa e a pele retoma o seu lugar.” Faz-se um “Ela” que nasceu com uma mosca na perna, cujo desenvolvimento podemos acompanhar, a partir de raios X e infravermelhos: “podemos seguir suas evoluções, admirá-la comendo, vê-la dormir de pé. Ela é tranquila: esta mosca não pode observá-la, a ela; enquanto ela permanece ali, tem apenas um pedaço ridículo de tecido, que ela suga.” Faz-se ainda outro “Ele” que nasceu com o fígado para fora do corpo, e traz “o fígado numa bolsa, fixada a um cinto em volta da cintura”, e “antes de sentar-se, ele a levanta para que ela pouse sobre a sua coxa sem bater nela.” Em seus detalhes, essas narrativas nos devolvem ao extremo da percepção, e nos ensinam a res-sentir as coisas.

(mais…)

NOTA DOMINICAL | SOBRE “ÚLTIMO ROUND”, DE JULIO CORTÁZAR

por Guilherme Gonçalves
Cortázar
A descoberta de Cortázar transformou profundamente minha percepção da literatura. Antes, esta me parecia um refúgio em que nos seria dado estar por algum tempo seguros para sustentar o olhar sobre os fantasmas do desejo e do horror, como se não estivessem aqui. Compreendi que a literatura – essa história toda feita de acidentes, amor e suicídio – dedica-se ao cuidado dos fantasmas que sobrevivem ao sono, dando-lhes corpo e nome, para que nos sintamos, como eles, reais.

(mais…)